Dica de saúde, Notícias, Prevenção

O que as Blue Zones podem nos ensinar

19 fev 2020 • Flávia Sapienza

Já ouviu falar das Blue Zones? Se não, essa é uma ótima oportunidade para saber um pouco mais sobre alguns dos segredos da longevidade. As Blue Zones são regiões específicas do mundo com uma característica em comum: possuem uma alta proporção de pessoas que atingiram os cem anos de idade ou as expectativas de vida mais altas. E os moradores dessas regiões, além de viverem mais, vivem melhor.

As Blue Zones foram encontradas e nomeadas graças ao resultado do trabalho realizado por Dan Buettner, jornalista americano da National Geographic, em conjunto com os estudiosos Gianni Pes e Michel Poulain, que estudaram o comportamento e a rotina dessas pessoas por vários anos.

São conhecidas como Blue Zones: Nùoro, vilarejo montanhoso da Sardenha com a maior concentração de homens centenários no mundo; Icária, ilha da Grécia com uma das taxas mais baixas de mortalidade na meia idade e menor percentual de demência; Península de Nicoya, na Costa Rica, com uma das menores taxas de mortalidade na meia idade e segunda maior concentração de homens centenários; Vila de Lomo Linda, no sul da Califórnia, habitada por Adventistas do Sétimo Dia que vivem 10 anos a mais que os outros americanos; e Okinawa, no Japão, um dos locais em que as mulheres mais vivem no mundo.

O resultado do estudo foi a identificação de nove comportamentos em comum adotados pela população dessas cinco regiões:

  • Elas se movem naturalmente durante atividades do dia a dia, sem a ajuda de máquinas e tecnologias;
  • Possuem um propósito de vida, um motivo para levantar todas as manhãs;
  • Diminuem o ritmo e aliviam o estresse por meio de hábitos diários, como os moradores de Ikaria, que tiram uma soneca todos os dias;
  • Alimentam-se sem excessos, seguindo a regra dos 80% – param de comer quando atingem o ponto em que não estão cheios, mas já estão satisfeitos e sem fome, comendo as menores refeições ao final do dia;
  • Alimentação baseada 95% em frutas, vegetais, cereais, legumes, oleaginosas e sementes, com pouco consumo de carnes;
  • Bebem vinho com regularidade, de 1 a 2 taças por dia (com exceção dos Aventistas da Califórnia);
    Possuem algum tipo de religião;
  • Colocam os familiares em primeiro lugar; e
  • Pertencem a grupos sociais com hábitos saudáveis.

Que tal começar a adotar alguns desses hábitos ainda hoje?!

(Revista Amafresp em Foco | Ano 3 – nº 11)