Notícias, Prevenção

Novembro Azul: mitos e verdades sobre o toque retal

13 nov 2018 • Fabieli de Paula

O Dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata é celebrado oficialmente no dia 17 de novembro, mas as ações de prevenção se estendem por todo o mês, como parte da campanha Novembro Azul, de conscientização sobre a doença.

O toque retal é um exame simples, rápido e considerado muito eficiente para detecção de problemas nesta região do corpo masculino. Entretanto, muitos homens temem este momento. O assunto é, na verdade, cercado de preconceitos.

Para tranquilizar e informar principalmente o público masculino, o Ministério da Saúde esclarece o que é mito e o que é verdade com relação ao tema. Confira!

Todo homem precisa, em algum momento da vida, fazer o toque retal?
Verdade. Estes exames podem diagnosticar doenças benignas ou malignas da próstata. As razões que levam os homens a terem receio de se submeter a ele vão desde as questões culturais até o medo de realmente descobrir uma doença.

O exame é incômodo ou causa algum tipo de dor?
Mito. A sensação de dor é acionada por problemas psicológicos. Normalmente, o paciente que sente medo do exame, refere mais dor. O toque retal é muito mais simples do que parece e mesmo na presença do câncer, não dói.

Os sintomas mais comuns das doenças ligadas à próstata são a dificuldade e dor para urinar?
Verdade. A hiperplasia benigna, por exemplo, é uma doença na próstata, cujos sintomas são a urgência na necessidade de urinar, dor e a sensação de não esvaziamento da bexiga. Casos mais avançados podem levar à retenção, incontinência urinária e problemas renais. O câncer da próstata é o mais comum nos homens e o segundo mais letal no país.

Se o exame de PSA der normal, isso significa que não existe a possibilidade de a pessoa ter câncer?
Mito. O PSA (Antígeno Prostático Específico) é uma substância produzida na próstata para ser eliminada junto com o sêmen. Tem a finalidade de ajudar o espermatozoide no processo de fecundação. Para garantir maior segurança no exame preventivo, a melhor opção é a realização do PSA e do toque retal em conjunto.

Se o PSA for aperfeiçoado, ele poderá substituir o toque retal?
Mito. Inicialmente, acreditava-se que o PSA fosse uma enzima exclusiva da próstata, mas hoje é sabido que ela é produzida por outras glândulas, como as periuretrais e as pancreáticas. É pouco provável que ele substitua o toque retal.

Mesmo sem indício de câncer, é preciso continuar fazendo os exames de toque anualmente?
Verdade. Este exame deve fazer parte da rotina anual de todos os homens acima de 50 anos de idade. Aqueles que têm um ou mais parentes de primeiro grau que tiveram câncer de próstata devem começar aos 40 anos. Há outro exame, que determina o nível do antígeno prostático específico (PSA) no sangue, que costuma elevar-se em homens com câncer de próstata e outras doenças prostáticas. Os dois exames precisam ser feitos conjuntamente.

O câncer de próstata é uma doença relacionada ao envelhecimento do homem?
Verdade. Mais do que qualquer outro tipo, é considerado um câncer da terceira idade, já que cerca de três quartos dos casos no mundo ocorrem a partir dos 65 anos. O aumento observado nas taxas de incidência no Brasil pode ser parcialmente justificado pela evolução dos métodos diagnósticos, os exames, pela melhoria na qualidade dos sistemas de informação do país e pelo aumento na expectativa de vida.

É preciso fazer uma biópsia para confirmar o câncer de próstata?
Verdade. O único método seguro para confirmar o diagnóstico de câncer de próstata é a biópsia. Para isto, uma amostra do tecido prostático é retirada, comumente por punção da próstata, através de uma agulha inserida diretamente na glândula.

Fonte: Ministério da Saúde