Notícias, Prevenção

Julho amarelo: um sinal de alerta para as hepatites virais

10 jul 2019 • Felipe Nascimento

Em julho acontece em todo o país a campanha Julho Amarelo. Durante este mês, diversas unidades e órgãos de saúde, secretarias, hospitais e universidades realizarão ações para conscientizar a população e intensificar a prevenção e o controle das hepatites virais. Este ano, o governo sancionou a Lei 13.802, que instituiu julho como mês para chamar atenção e reforçar as iniciativas de vigilância, prevenção e controle das diferentes hepatites.

A hepatite é uma grave inflamação do fígado e acomete um número cada vez maior de brasileiros. Segundo o Ministério da Saúde, 1,7 milhão são portadores do vírus da hepatite C e 756 mil da hepatite B. Só em 2017 o Brasil registrou 40.198 novos casos de hepatites virais. Dados da Organização Mundial de Saúde revelam que já ocorreram 1,7 milhão de mortes no mundo  provocadas por complicações dos diferentes tipos da doença. O Boletim Epidemiológico 2018 informa que os casos da doença são maiores em homens de 20 a 39 anos.

As hepatites virais (especialmente A, B e C) podem ser transmitidas pela água e alimentos contaminados, de uma pessoa para outra por via sexual, por meio de fluidos corporais (compartilhar o mesmo barbeador, manicure, usuários de drogas, etc) e verticalmente, ou seja, da mãe para o filho, por isso a contaminação é bastante comum e a disseminação muito fácil e rápida.

SINTOMAS
O grande desafio no que se refere às hepatites virais é a dificuldade de diagnóstico, uma vez que a doença pode não apresentar sintomas. Entretanto, alguns sinais mais comuns são olhos e pele amarelados, cansaço, febre, mal-estar, tontura, vômitos, dor abdominal, urina escura e fezes claras. Muitas pessoas não sabem que estão infectadas e, além de não realizarem o devido tratamento acabam disseminando a doença. Por isso recomenda-se a realização do teste para hepatite C pelo menos uma vez na vida, com o objetivo de diagnosticar e tratar o mais precocemente.

A vacina é uma forma de prevenção contra as hepatites do tipo A e B. Quem se vacina para o tipo B, se protege também para hepatite D. Ainda não existe vacina para a hepatite C, porém o paciente pode realizar o tratamento cujo índice de cura é superior a 90%. Algumas medidas simples previnem a infecção, tais como:

– Usar preservativos;
– Exigir materiais descartáveis e esterilizados em estúdios de tatuagem, salões com manicures e pedicures;
– Não compartilhar agulhas e seringas;
– Manter exames de rotina em dia;
– Consultar um médico com frequência.