Prevenção

Alimentação para prevenir o câncer de mama

15 out 2018 • Fabieli de Paula

O câncer de mama é o segundo tipo mais frequente no mundo e o tumor que mais acomete as mulheres. Se diagnosticado e tratado precocemente, o prognóstico em geral é bom.

Existem os riscos não modificáveis — relacionados à idade, genética, história familiar, raça etc. — e os modificáveis, que são aqueles que podem ser diminuídos conforme o estilo de vida e as decisões da própria pessoa, como ser mãe antes dos 30 anos, amamentar, evitar o uso de álcool, praticar atividade física, manter um peso saudável.

Além disso, ingerir alimentos de boa qualidade tem papel fundamental na prevenção do tumor. Tente, aos poucos, incluí-los em sua dieta, porque podem fazer diferença no futuro.

Peixes

Segundo estudo recente do periódico British Medical Journal (BMJ), comer duas porções de atum, salmão ou sardinha por semana pode ajudar a reduzir o risco de uma mulher desenvolver a doença. A explicação deve-se ao fato de que esses peixes contêm gordura insaturada, que, ao contrário da gordura saturada, faz bem à saúde. Além disso, a sardinha é rica em vitamina D, um proto-hormônio que pode interferir no crescimento do câncer.

Brócolis, couve, repolho

A ingestão regular de couve, brócolis e repolho pelo menos uma vez por semana também pode diminuir o risco de ter câncer de mama. Um estudo feito com 5 mil mulheres suecas apontou que o consumo de uma ou duas porções diárias está associado a um risco 40% menor de câncer de mama. Essas hortaliças são boas fontes de nutrientes – como vitamina C, carotenoides precursores de vitamina A, fibras, cálcio e ácido fólico –, e seu poder preventivo viria da abundância de moléculas fitoquímicas, capazes de eliminar substâncias tóxicas que induzem o câncer.

Frutas

Esse grupo de alimentos contribui para a prevenção na medida em que fornece menos calorias, mais fibras e auxilia na manutenção de peso saudável. A recomendação da Sociedade Americana de Câncer é consumir cinco porções de frutas por dia.

Fibras

São necessárias mais pesquisas, mas estudos sugerem que as fibras contribuem para o aumento da excreção de estrogênio, o que implica em menor risco de câncer de mama. A American Dietetic Association (ADA) estabelece como recomendação o consumo de 25 a 30g de fibras por dia, sendo 30% desse valor de fibras solúveis, encontradas principalmente na aveia e em frutas como abacate, pera e banana. A dica é inserir um produto rico em fibras, como pão integral e cereais, em todas as cinco refeições que você fizer no dia.

Gordura, não!

Evite consumir alimentos muito gordurosos como pastéis, lanches, leite integral e doce de leite. Evidências científicas relacionam o consumo excessivo de gorduras com o aumento dos índices de câncer de mama, especialmente na pós-menopausa, quando há maior correlação entre o teor de gordura da dieta e os níveis séricos de estradiol, hormônio ligado ao crescimento de tumores.

Menos carne vermelha

O alto consumo desse alimento pode contribuir para o ganho de peso e estímulo de processos inflamatórios no organismo, fatores de risco para o desenvolvimento da doença. O Instituto Americano de Pesquisas em Câncer (AICR) recomenda o consumo limitado de carnes vermelhas a 300g por semana, o que equivale a três bifes grandes. Atenção: a medida é por semana!