Sem categoria

Média de Papanicolau realizado pelas filiadas Amafresp está abaixo das outras autogestões

17 mar 2017 • Fabieli de Paula

A Amafresp identificou, por meio da ferramenta de Business Intelligence (BI) – Gesto Saúde, que a média de realizações de Papanicolau (citologia oncótica) está abaixo das outras autogestões. Os números mostram que apenas 65% das mulheres com mais de 40 anos realizaram o exame nos últimos dois anos, sendo que a média em outras autogestões é de 80%.

Uma das ações do setor de prevenção foi lançar a “Campanha Prevenção à distância”. A ação inovadora se iniciou em algumas cidades do interior e litoral e agora se estende para a capital e grande São Paulo. O público alvo são filiados com mais de 40 anos que nos últimos dois anos não realizaram exames preventivos. Para as mulheres, os exames são mamografia, Papanicolau e para homens, PSA Total e livre e USG de próstata.

Os filiados da capital receberam recentemente em casa uma carta alertando sobre a importância da realização desses exames na prevenção de doenças como câncer de próstata, mama e de colo de útero, além de um cupom que vale como pedido médico para o laboratório indicado no material. Faça seu exame preventivo. Diga sim à vida!

Alerta
De acordo com a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), a meta anual é atingir um resultado igual ou superior a 28 exames de Papanicolau para cada 100 beneficiárias na faixa etária de 25 a 59 anos, considerando a realização de um exame a cada três anos, em 80% das mulheres nessa faixa etária.

O principal método e o mais amplamente utilizado para rastreamento de câncer de colo do útero é o teste de Papanicolau. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), com uma cobertura da população-alvo de no mínimo 80% e a garantia de diagnóstico e tratamento adequados dos casos alterados, é possível reduzir em média 60% a 90% da incidência de câncer invasivo do colo do útero na população.

A experiência de alguns países desenvolvidos mostra que a incidência de câncer do colo do útero foi reduzida em torno de 80%, onde o rastreamento citológico foi implantado com qualidade.